top of page
  • Foto do escritorFabrício Girão

As influências na transformação de Luca

O poder da personagem Mística e os efeitos do vento no filme do Studio Ghibli ajudaram a Pixar a criar a transformação de criatura marinha para humano.

Divulgação/20th Century Studios/Pixar Animation Studios/Studio Ghibli

Parte fundamental da trama de Luca, nova animação da Pixar que chega ao Disney Plus amanhã (18), é a capacidade que o protagonista e seu amigo Alberto, dois monstros marinhos, possuem de se transformarem em humanos ao se secarem. Em uma reação cadenciada, que vai das extremidades do corpo até a cabeça, os personagens vão perdendo as escamas e barbatanas, e ganhando pele e cabelo.





Para criar esse importante elemento visual da animação, a equipe de efeitos da Pixar buscou referências em dois filmes marcantes da cultura pop: X-Men (2000), do 20th Century Studios, e O Serviço de Entregas da Kiki (1989), clássica animação do Studio Ghibli.


O efeito de transformação em Luca (Divulgação/Pixar Animation Studios)

Em entrevista para o /Film, os Supervisores de Personagens Beth Albright e Sajan Skaria explicaram que o primeiro direcionamento dado a eles pelo diretor Enrico Casarosa foi não fazer da transformação algo que assustasse. "Logo no começo, o Enrico deixou claro que ele não queria algo assutador, como garras saindo [do corpo]", relembrou Albright.


Sajan Skaria contou, em entrevista para a D23, como eles chegaram no conceito ideal: "Primeiro imaginamos como se fosse uma roupa de banho mecânica em que as escamas virariam e revelariam algo. Mas aí o Daniel López Muñoz [Artista de História] disse: 'Não, precisa vir do coração. É interno. É o Luca humano emergindo do monstro marinho'. Isso fez uma grande diferença, e agora tínhamos um lugar onde poderia se originar".


Rebecca Romijn como Mística em X-Men (Divulgação/20th Century Studios)

Inspirações para a transformação


Como inspiração, Beth Albright, Sajan Skaria e a equipe de Luca estudaram como foram produzidos os efeitos que seriam mais próximos do visual que eles almejavam: os poderes da Mística, personagem da franquia X-Men. “Acho que em termos de todas as coisas que vimos, um dos análogos mais próximos foi a transformação da Mística nos filmes X-Men, porque ela tinha esse tipo de cobertura de escamas que também lembrava penas", Albright pontuou.





Só que o tom ainda não parecia o correto, porque a transformação da Mística foi pensada para parecer mais sensual, e a equipe de Luca queria algo que fosse além da sensação de "embalar e desembalar", nas palavras de Beth Albright. Então, eles se voltaram para outra grande influência no visual do filme (como comentamos aqui): os filmes de Hayao Miyazaki e do Studio Ghibli.


Kiki e Jiji em O Serviço de Entregas da Kiki (Divulgação/Studio Ghibli)

Um dos filmes em questão foi O Serviço de Entregas da Kiki, de 1989, como explicou Beth Albright: "Outro tipo de inspiração veio de O Serviço de Entregas da Kiki, onde o gato, Jiji, tem uma espécie de momentos de interação com o vento, e também há outra transformação similar em um filme do Miyazaki em que há quase uma sensação no corpo do personagem quando acontece. Isso foi algo muito importante para o Enrico, a ideia de que algo acontece fisicamente".


Com essas referências, a equipe de Luca chegou ao resultado final para a transformação dos personagens, que você pode conferir quando o filme estrear amanhã no Disney Plus!


Esse artigo é uma síntese e uma adaptação para o português das informações apresentadas nos textos publicados no /Film e no D23, que participaram de um evento para a imprensa com a equipe de Luca.









Comments


bottom of page