top of page
  • Foto do escritorFabrício Girão

Primeiras Impressões: Andor traz visão sombria e madura para Star Wars

Série que antecipa os eventos de Rogue One traz Diego Luna de volta em trama focada no cotidiano das pessoas que vivem sob a opressão do Império.

Divulgação/Lucasfilm

Com 2022 se aproximando de seus meses finais, talvez seja seguro dizer que Andor, série do universo Star Wars que estreia nesta semana no Disney Plus com três episódios, é a maior surpresa da Disney esse ano. Veja bem, em uma era onde as grandes franquias são exploradas a exaustão, uma série derivada de um filme derivado de uma das sagas mais populares da história não parece exatamente um dos projetos mais empolgantes de se acompanhar.


Só que Andor revitaliza Star Wars mesmo contando uma história que se passa em um período amplamente explorado na franquia, a era do Império Galáctico. Ao invés de trazer uma grande jornada aventuresca que intercala cenas divertidas, grandes sequências de ação e momentos de humor, a série prioriza focar sua atenção no cotidiano de alguns personagens que vivem diariamente a opressão imperial.



Andor mostra as ruas, as pessoas comuns, os conflitos do dia a dia. Com um olhar mais maduro e certamente mais sombrio, ela mostra como a base da Rebelião foi formada a partir da pequena resistência cotidiana de diversos indivíduos em vários lugares, que precisam se virar para construir e reconstruir suas vidas.

Divulgação/Lucasfilm

Ritmo diferente


Quem assistiu as séries de Star Wars no Disney Plus, como as recentes O Livro de Boba Fett e Obi-Wan Kenobi, pode achar Andor mais lenta. A série de fato tem um ritmo bem diferente, tomando mais tempo para apresentar seus personagens e estabelecer as situações em que estão inseridos. Só que isso não faz dela chata ou monótona. Na verdade, é uma experiência recompensadora ver as peças sendo cuidadosamente colocada nos lugares exatos para que a trama engate e empolgue.


O roteiro do showrunner Tony Gilroy, que também escreveu Rogue One, traz diálogos excelentes, constrói com maestria o ar de desconfiança constante que paira sobre a trama e estabelece com cuidado os mistérios que devem ser desvendados ao longo da temporada.


Divulgação/Lucasfilm

Elenco em destaque


Algo que se destaca nos primeiros episódios de Andor é como cada ator escalado na série consegue chamar atenção para si. Diego Luna apresenta uma faceta mais misteriosa do então herói que vimos em Rogue One, Fiona Shaw é uma figura materna que se liga diretamente com o passado do protagonista, Adria Arjona interpreta uma mulher batalhadora tentando sobreviver na galáxia dominada pelo Império e Kyle Soller é o inspetor obstinado que não mede esforços para atingir seus objetivos.


Ainda que esses arquétipos não sejam exatamente inovadores, é a humanidade dada a esses personagens pelos atores que faz com que eles sejam interessantes logo de cara. Eles são relacionáveis porque são pessoas tentando seguir com suas vidas apesar das adversidades e das forças que operam contra eles, não importa o lado que estejam.



Experiência contida


Na era dos easter egss, das participações especiais e das referências, Andor é um sopro de ar fresco para Star Wars por não se importar com nada disso. Sua missão é a de contar as histórias "reais" de pessoas afetadas por uma poderosa força que domina a galáxia, e a série faz isso mantendo os pés no chão, mostrando de forma madura os impactos da opressão imperial na vida cotidiana dos personagens e como os pequenos atos diários de resistência formaram a base da rebelião.


Andor

Ano: 2022

Showrunner: Tony Gilroy

Elenco: Diego Luna, Genevieve O'Reilly, Stellan Skarsgard, Adria Arjona, Denise Gough, Kyle Soller, Fiona Shaw, Faye Marsay


Com história focada em mostrar o cotidiano de resistência ao Império e com tom bem mais maduro que o de outros títulos de Star Wars, Andor é a produção mais ousada da era Disney da franquia.

Comments


bottom of page